Campanha do agasalho 2017

O inverno está chegando e com ele o momento em que podemos ser solidários.
Junte-se a nós, aqueça seu coração neste inverno e colabore.

Você que quer colaborar pode deixar sua doação conosco da Associação São Francisco no endereço abaixo:
Rua David Maria Monteiro Gomes, 125 – Centro – Taubaté.

As doações poderão ser deixadas até o dia 28.05.2017.

Visita da Cia Sorriso de Cristo

Dia 06 de maio foi um dia muito especial aqui na Associação. Recebemos a visita do grupo “Cia Sorriso de Cristo”. É um pessoal que leva alegria para todos os lugares por onde passa, fazendo um trabalho lindo. Cantaram, dançaram, brincaram, trouxeram um delicioso lanche e deixaram muita alegria espalhada pela casa.

Gostaríamos de agradecer a todos que se empenharam em proporcionar esses momentos de muita diversão para nós. Estamos certos de que tudo foi preparado com muito carinho.

Colabore conosco e saboreie uma deliciosa pizza!

Que tal ajudar a Associação São Francisco e ainda levar uma deliciosa pizza grande, pré-assada, para saborear com os amigos e a família?

Por apenas R$ 20,00 você leva qualquer um dos sabores disponíveis:

  • Calabresa,
  • Mussarela,
  • Portuguesa,
  • Frango com requeijão,
  • Presunto.

Esta é uma campanha realizada em parceria com nossos amigos da Hiper Massas.

Para reservar a sua, é só ligar para 3672-3149 ou 3631-5676.

Vendas somente até o dia 10 de maio! Corre para garantir a sua!

Oi gente,

Fazemos parte de uma Associação sem fins lucrativos que atende pessoas com deficiência intelectual,27 de nós moramos aqui, outros 3 passam o dia e no começo da noite vão pra casa.

Aqui na  Associação São Francisco recebemos toda a atenção ,carinho e orientação necessária para que nossa qualidade de vida seja a melhor possível. Temos alimentação balanceada (a Nutricionista cuida disso),fazemos caminhadas diárias, todos se preocupam com nossa higiene (aprendemos a nos cuidar), saúde  e lazer (dentro e fora de casa). O pessoal que nos atende recebe orientação e treinamento regular pra que  tenhamos o melhor atendimento. Acho interessante contar também que nossas famílias estão sempre em contato conosco, nos visitam, vem nos buscar pra passear, telefonam e as vezes falam conosco pelo Skipe, é muito legal.

A ideia de ter uma padaria aqui é para além da gente produzir nosso próprio pão (e assim diminuir gasto) é de ensinar uma profissão pra gente e quem sabe, criar uma fonte de renda!

Gente, temos uma parte daquilo que precisamos para começar a trabalhar – o forno (ganhamos da Tia Sonia), algumas formas, mas precisamos de mais formas, tigelas, batedores de massa e algum material, por isso  estamos fazendo essa campanha.

Contamos com vocês!

CLIQUE AQUI PARA CONTRIBUIR COM NOSSO PROJETO NO KICKANTE!

 

Estamos de mudança e você pode nos ajudar!

campanha-kickante

Para o ano de 2017 já estamos começando com uma mudança e tanto: vamos para uma nova casa! E, como em toda mudança de casa, esse é um processo que demanda tempo, mão de obra e dinheiro. Teremos de dar conta de tarefas como carreto, instalação de câmeras, alvará bombeiro, montagem de móveis, entre outros.

Por isso, gostaríamos de pedir a colaboração de todos que acompanham nosso trabalho. Você pode ajudar clicando aqui, ou no link ao final desta postagem, para fazer sua doação pelo site kickante. Uma parte da ajuda ainda será utilizada para nossa nova oficina de panificação, onde produziremos pães, bolos e tortas.

Esta não é uma campanha para oferecer cuidados aos nossos assistidos. Eles continuam a receber tudo aquilo de que necessitam para o seu bem-estar.

CLIQUE AQUI PARA CONTRIBUIR

 

Passeio ao Cinema

No dia 22 de novembro de 2016, tivemos o grande prazer de participar de um evento super divertido com nossos amigos do Solar Social, de quem somos parceiros há muitos anos. Assistimos ao filme “Peter Pan”, que agradou e entreteu a todos nós. Todo mundo se divertiu a valer e ainda pudemos tomar um bom lanche e curtir bons momentos de descontração na praça de alimentação.

O Solar Social é um projeto social que já realizou diversas ações em prol de causas muito importantes, conscientizando os cidadãos e levando a ajuda para quem realmente precisa. Se você ainda não conhece o excelente trabalho que eles realizam, não deixe de visitar o site deles aqui no solarsocial.com.br ou seu perfil no facebook, logo aqui.

Confira a seguir algumas fotos do evento. Não deixe de curtir e compartilhar com os amigos e família. Ler mais

A Síndrome de Angelman

A síndrome de Angelman foi observada pela primeira vez em 1965, pelo médico britânico Dr. Harry Angelman, que percebeu seus sintomas em três pacientes. O interesse pela síndrome permaneceu bastante reduzido até 1987, quando se descobriu que os afetados por ela não tinham parte do cromossomo de número 15, caracterizando-se desta forma. Descobriu-se a parti dessas pesquisas, portanto, que esta se tratava de um distúrbio genético herdado da mãe que, em casos muito raros, pode fazer com que a síndrome ocorra em mais de um dos filhos na mesma família.

A ocorrência da síndrome de Angelman é baixa, ficando na faixa de um a cada 15 ou 30 mil nascimentos. O seu diagnóstico não é simples e, na maior parte dos casos, requer atenção especializada de serviços de aconselhamento genético, bem como de imagem para exames neurológicos. Alguns sintomas podem ser percebidos pelos pais a partir de os seis meses de idade. Convulsões são comuns a partir de um ou dois anos de vida. Devido a problemas no crescimento do perímetro encefálico, é comum que alguns pacientes desenvolvam microcefalia. A expectativa de vida dos pacientes, de um modo geral, não é reduzida pelo fato de serem acometidos pela síndrome. Ler mais

Jogos paralímpicos

Rio_Paralympics_2016

Após dias de um verdadeiro espetáculo nos Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro, está chegando a hora de o mundo voltar seus olhos para um outro show a parte: os Jogos Paralímpicos que se iniciam no dia 07 de setembro e se encerram no dia 18 do mesmo mês. Os jogos vem acontecendo na cidade sede das Olimpíadas desde 1988, a partir dos jogos de Seul, na Coreia, e dos jogos de inverno da França, em 1992.

Embora pareça relativamente recente, a história dos jogos paralímpicos remete a tempos mais distantes. O primeiro clube de esportes para deficientes surgiu em 1888, na Alemanha, com um clube de esportes para surdos em Berlim. Mais de meio século depois, já após a segunda guerra mundial, em 1948, o Dr. Guttman organizou a primeira disputa com atletas deficientes: uma competição de arco-e-flecha com veteranos cadeirantes, feridos em combate.

As primeira paralimpíadas aconteceram em Roma, no ano de 1960, e contaram com a participação de 22 países em oito modalidades. Em 2016, no Rio de Janeiro, serão 160 países disputando a glória da medalha de ouro em 22 esportes diferentes. São atletas das mais variadas origens e com limitações distintas, mas com uma lição preciosa para nos ensinar: a superação contínua e o incansável desejo de fazer sempre mais e melhor.

Paralimpíadas de Roma, em 1960.
Paralimpíadas de Roma, em 1960.

 

Neste ano será possível acompanhar as competições pelos canais de TV aberta e fechada, bem como pela Internet. Os canais da Rede Globo, como o Sportv, por exemplo, já anunciaram que cobrirão os eventos – ainda nos resta saber se será em pé de igualdade com a que foi oferecida para as Olimpíadas – e ainda será possível assistir aos jogos pelo site Paralympic.org (em inglês), que anunciou transmissões ao vivo para este ano.

Como inspiração, deixamos esta impressionante campanha publicitária feita para os jogos de 2016. Que sirva para nos fazer rever nossos conceitos!

Agosto: um mês dedicado à pessoa com deficiência

[simple_heading h=”h2″ align=”left”]Agosto: um mês dedicado à pessoa com deficiência[/simple_heading]

Agosto é o mês dedicado à pessoa com deficiência, uma ocasião de ouro para conscientizar a comunidade sobre a importância de nos preocuparmos sobre como tratamos aqueles que, frequentemente, são os que mais necessitam de nosso carinho.

Da segunda metade do século XX até hoje, tivemos grandes conquistas para as pessoas com necessidades especiais. A própria Organização das Nações Unidas, por exemplo, tem feito vários esforços para que leis de proteção ao deficiente sejam adotadas em todo o mundo.

Contudo, embora tenhamos leis para garantir que todos sejam tratados com a dignidade, o respeito e a atenção que merecem, o preconceito ainda existe. Infelizmente, ainda vivemos numa sociedade em que é necessária a força da lei para que o deficiente possa receber o que há de melhor a sua disposição.

Após mais de 13 anos atendendo a mais de 60 famílias, nós da Associação São Francisco, somos gratos a Deus pelo privilégio de poder dedicar nossas vidas servindo aos nossos meninos e meninas. Dia após dia, aprendemos juntos, criamos e reforçamos laços de amizade e carinho, e percebemos quanta riqueza oculta existe em cada um de nós, não importando a condição em que se vive.

Temos a certeza de que, se mais pessoas abrissem seus corações ao convívio com pessoas portadoras de deficiências, sejam elas quais forem, mais gente aprenderia verdadeiras lições de amor e superação.

Deixamos aqui nossa homenagem aos meninos e meninas da Associação São Francisco, que nos presenteiam com seu jeito único de ser no mundo.

[AFG_gallery id=’9′]

A Síndrome de Asperger

Ao se conhecer alguém diagnosticado com a síndrome de Asperger pela primeira vez, é possível que a sua primeira impressão seja a de que se trata de uma pessoa tão inteligente e comum quanto qualquer outra, mas talvez com alguma inadequação social, que se nota na forma de falar e se portar com os outros. Até 2013, a síndrome de Asperger tinha um diagnóstico distinto, mas desde então, ela passou a ser considerada como uma manifestação de autismo altamente funcional pelo DSM-5, livro padrão usado pelos especialistas em saúde mental. Tecnicamente, a síndrome agora faz parte de uma categoria mais abrangente de transtornos mentais, conhecida como Transtorno do Espectro Autista, que engloba condições que compartilham sintomas comuns entre si.

Assim como o autismo, a síndrome de Asperger mostra seus sinais desde a mais tenra infância. Os pais do paciente podem perceber alguns comportamentos incomuns, como por exemplo, a criança evitar o contato visual, ou não conseguir interpretar sinais de emoção de outra pessoa. Ela pode, por exemplo, ter dificuldades em entender um olhar de tristeza, ou então que alguém que está falando num tom de voz elevado, com os braços cruzados e o cenho franzido esteja bravo. Outro sintoma perceptível é a aparente falta de emoção na fala da criança, que parece falar num tom quase robótico.

Pessoas que portam esta condição normalmente ficam desconfortáveis em situações sociais. Elas tendem a falar muito sobre si mesmas e entrar em detalhes intrínsecos sobre assuntos que são de seu interesse, como por exemplo estatísticas de esportes, suas coleções, ou qualquer outro interesse pelo qual ela pode criar uma espécie de obsessão. Outros sintomas podem incluir depressão, ansiedade, agressividade, auto-agressão, impulsividade, coordenação motora pouco desenvolvida e, às vezes, gagueira.

[simple_heading h=”h3″ align=”left”]Diagnóstico e tratamento[/simple_heading]

O diagnóstico da síndrome de Asperger normalmente se inicia com a percepção dos pais de que “algo pode estar errado”. Quando suas preocupações são comunicadas ao pediatra da criança, normalmente ela é encaminhada a um profissional especializado no tratamento de condições relacionadas ao transtorno do espectro autista, que pode ser um psiquiatra , psicólogo ou neuro-pediatra.

Tal como para o Autismo, não existe cura para esta condição, mas é possível tratar seus sintomas e ter resultados tão positivos que, em casos raros, na vida adulta a pessoa pode ser considerada como não mais se enquadrando no espectro autista. Não existem remédios para a síndrome de Asperger, mas apenas remédios para se aliviar sintomas como a depressão e a ansiedade, que são associados a terapias como:

  • Terapia da fala, para aprender a falar com variações em sua tonalidade e adquirir a habilidade de manter uma conversa.
  • Treinamento de habilidades sociais, que podem acontecer em sessões de grupo ou individuais, em que se aprende como interagir com outras pessoas e a imitar seus comportamentos.
  • Terapia comportamental e cognitiva, na qual o paciente aprende a entender melhor seus sentimentos e emoções e controlar seus impulsos.
  • Terapia com pais e responsáveis, para que a família aprenda técnicas para lidar com as situações e dificuldades do dia a dia.

[simple_heading h=”h3″ align=”left”]Asperger e a Associação São Francisco[/simple_heading]

Como de costume, nós da Associação São Francisco estamos sempre atentos às necessidades das famílias que nos procuram e buscamos aprimorar constantemente nossas competências e nos capacitar sempre mais. Nós contamos com uma equipe multidisciplinar preparada para assistir pessoas diagnosticadas com a síndrome.