Agosto dourado: o mês da amamentação

No nosso calendário da conscientização, o mês de agosto é dedicado a uma causa mais do que nobre: o aleitamento materno. Por mais que se fale, escreva e divulgue, este é um assunto que sempre merece atenção e encorajamento. O leite materno nutre, protege e conecta mãe e filhos. Ele é gratuito, está sempre pronto para quando o bebê precisa, funciona como "vacina" natural e, acima de tudo, é uma capacidade inata de todos nós, mamíferos. Diante de tudo isso, não restam desculpas para não amamentar, certo mamães? É claro que existem situações excepcionais, mas em linhas gerais, a amamentação é sempre recomendada. Houve tempo em que as organizações nacionais e internacionais de saúde recomendavam o aleitamento materno até 1 ano de idade. Atualmente, a OMS recomenda fortemente que ele seja mantido até os 2 anos de idade, sendo que os primeiros 6 meses são exclusivamente de ingestão de leite materno para os bebês. Isso mesmo: nem mesmo a água é recomendada; apenas leite materno. Ele hidrata e nutre ao mesmo tempo. Para quem nunca foi mãe, é claro que existem expectativas que são frustradas. Além disso, existem alguns mitos que a população ainda insiste em propagar (titias e vovós que nos perdoem, mas principalmente a população mais experiente faz isso). Por isso, aqui fica alguns alertas a esse respeito: 1- As agências de saúde e órgãos de governo são mestres em fazer fotos lindas, com bebezinhos fofos olhando apaixonados nos olhos da mãe que amamenta tranquilamente, aconchegada numa poltrona macia e espaçosa. Bom, isso acontece... às vezes. Mas o que realmente acontece nos começo é dor, sudorese, calos, rachaduras e lágrimas. Mas não mamãe, não se desespere. Passados os primeiros dias, tanto o bebê quando o organismo da mãe aprendem o que é mamar e dar de mamar. 2- Não existe leite fraco, nem existe pouco leite. É lógico que nessa fase, o acompanhamento médico é fundamental, mas o bebê recém-nascido mama em pouca quantidade, várias vezes ao dia (haja sono atrasado). Assim que a mãe dá a luz, sua primeira produção pé o colostro, que é um leite de coloração mais amarelada. Ele funciona como uma primeira "vacina" para o bebê, além de hidratar e nutrir muito bem. Esqueça o leite de caixinha que você compra no supermercado. Aquele lá vem com aditivos e foi produzido para vaquinha para o bezerrinho dela, não para nós. O leite materno humano é completamente diferente. 3- No geral, as mamães não precisam mudar radicalmente a dieta delas. É claro, álcool e tabaco estão fora de questão. É bom evitar processados e fast food. Mas é prudente ficar alerta para sinais de alergia por parte da criança. Aí sim, adaptações podem ser necessárias, mas tudo com orientação de médicos e profissionais de saúde capacitados. 4- Não precisa complementar. Leite materno é suficiente. Talvez seja necessário ensinar a criança a abocanhar o bico do seio corretamente, mas a regra é: mamou agora, passou um tempo e ficou com fome? Então dá-lhe mamada de novo! Leite de ser humano é para seres humanos; o de vaca é para bezerros. ;-) 5- Existe um ritmo adequado de ganho de peso para a criança. Observe isso. Se você acha que seu bebê recém-nascido parou de ganhar peso, ou pior, emagreceu, então vá ao seu pediatra. Existem ainda excelentes serviços de banco de leite materno, que dão verdadeiros cursos para papais e mamães gestantes; experientes ou de primeira viagem. Procure por esse serviço no seu município. Aleitamento materno é saúde. É natural, muito prazeroso e compensador em várias frentes: prático, rápido e gratuito. Se você é uma mãe iniciante na grande aventura da maternidade, não desista jamais da habilidade de ser você a principal fonte de nutrição do seu bebê! Este pequeno texto não substitui o aconselhamento de um especialista. Em caso de dúvidas, sempre procure ajuda especializada!

Campanha de atenção à saúde bucal na Associação!

A saúde e bem-estar integral dos nossos assistidos é um dos pilares do trabalho que realizamos aqui na Associação São Francisco. Por isso, sempre que possível, realizamos atividades que promovam esses valores tanto interna como externamente. Recentemente, começamos uma verdadeira campanha de cuidados com a saúde bucal dos nossos meninos e meninas. Temos sido muito bem atendidos pela Dra. Michele Fernanda, dentista que realiza trabalhos particulares em domicílio. Ela já atendeu todos da Unidade I e, logo logo, serão todos os nossos assistidos da Unidade II que passarão por tratamento. Lembramos que a Associação São Francisco não faz esse tipo de atendimento clínico, uma vez que oferecemos o serviço de moradia assistida. Este serviço terceirizado foi um esforço custeado pelas famílias e tem sido um sucesso. Agradecemos a todos que se empenharam para fazer esse trabalho maravilhoso acontecer!  

Junho laranja: mês de conscientização sobre a anemia e leucemia

[embed]https://www.youtube.com/watch?v=lvmr6osGn4s[/embed] No nosso calendário da conscientização, junho é representado pela cor laranja para nos lembrar de um cuidado essencial para nossa saúde, que é o nosso sangue. Este é o mês dedicado ao diagnóstico, prevenção e tratamento da anemia e leucemia. Embora as duas ocorram em nossa corrente sanguínea, elas são bastante distintas entre si. Primeiramente, a anemia pode ser notada através do hemograma pela diminuição dos glóbulos vermelhos no sangue, que são as células responsáveis pelo transporte de oxigênio para todo nosso organismo. Seu principal sintoma é o cansaço. Mais que uma doença isolada, ela é sim um sintoma importante do corpo de que há algum problema que precisa da nossa atenção. A identificação precoce da causa é essencial para o melhor tratamento. Entretanto a origem do problema nem sempre é óbvia, por causa da diversidade de causas. Entre elas, a baixa produção de hemácias pela medula óssea; uma elevada destruição dessas células pelo corpo; ou perda de hemácias e ferro através de sangramentos. A causa mais comum é a anemia causada pela insuficiência de ingestão de ferro na dieta. A leucemia é uma doença maligna dos glóbulos brancos. Sua origem está na medula óssea, onde as células sanguíneas são produzidas. Além de perder a função de defesa do organismo, os glóbulos brancos doentes produzidos descontroladamente reduzem a capacidade de fabricação das outras células que compõem o sangue, assim comprometendo suas funções. Ainda não se sabe muito das causas das leucemias. Podemos classificá-las pela velocidade da divisão celular e pelos glóbulos brancos, resultando nos tipos: linfoide aguda, linfoide crônica, mieloide aguda e mieloide crônica. A leucemia crônica, que é aquela que se desenvolve por um longo período de tempo, pode ser assintomática devido a sua progressão lenta. Na aguda, que se manifesta de maneira mais agressiva num espaço de tempo curto, podem ocorrer hemorragias, infecções e a anemia. A leucemia pode ser curada e o tratamento dependerá do tipo. Pode-se recorrer a terapia biológica, transplante de células tronco, quimioterapia e radioterapia. A primeira suspeita dessa doença pode vir através do hemograma, da mesma maneira como a anemia. A confirmação final vem pelo exame da medula óssea. Assim, a realização periódica do hemograma é de grande importância para o combate à leucemia e anemia. Daí a importância de um check-up periódico com seu clínico geral. E, é claro, todos nós podemos contribuir com o combate à leucemia, dando uma nova esperança para milhares de brasileiros que esperam por um doador. É comum que não se encontre doadores compatíveis na família, por isso, ao se cadastrar como doador, você pode ajudar alguém que espera pela generosidade de alguém capaz de ajudá-lo. Para fazer isso, procure o hemonúcleo mais próximo de você.

Cultura inclusiva: Em um mundo interior

Já fizemos algumas indicações de filmes que tratam do assunto deficiência intelectual antes aqui neste artigo, mas hoje temos uma indicação com gostinho caseiro. Sim, a indicação de hoje se trata de uma iniciativa brasileira e tem como tema o autismo. Em um mundo interior é um documentário em longa metragem que mergulha no cotidiano de sete famílias com filhos autistas. Foi um trabalho de dois anos de duração, do qual surgiu a obra dos cineastas Flávio Frederico e Mariana Pamplona, que tinham a intenção de criar um filme para falar sobre crianças que precisam superar obstáculos para estar no mundo. Como o autismo é um quadro que não tem diagnóstico fechado, sem cura e cujas causas não foram determinadas ainda; esse foi justamente o tema escolhido para o projeto. Para poder realizá-lo com êxito, foram necessários contatos com inúmeras famílias que viviam a realidade de lidar com o diagnóstico de autismo. Enquanto algumas famílias resistiram a exposição, sete delas toparam passar por esse longo período exposição. E sua coragem em abrir as portas do próprio lar rendeu frutos. Graças ao documentário, o público leigo pode ter um vislumbre de como é ser uma criança autista. Especialmente porque duas das crianças acompanhadas durante o documentário ganharam câmeras, para que elas mesmas produzissem imagens para o filme. O resultado é um projeto esclarecedor e, ao mesmo tempo, poético e tocante. O longa também teve o cuidado de evidenciar como pessoas com autismo podem ser incrivelmente distintas umas das outras, não havendo um perfil "típico" de autismo no qual a maioria se encaixaria. Os graus de comprometimento podem ser alto ou leve. Alguns autistas se comunicam relativamente bem, enquanto outros chegam até mesmo a não verbalizar. Em um mundo interior foi apresentado no festival "É Tudo Verdade", no mês me maio e seguiu em exibição em algumas salas de cinema pelo país. Logo deve ser disponibilizado em mais plataformas de distribuição. Ficou curioso? Então aproveita para ver o trailer do filme logo a seguir. Não deixe de ler, também, nossos artigos sobre autismo aqui, aqui e também sobre a Síndrome de Asperger, que é um tanto similar ao autismo, aqui. Gostou da dica? Não deixe de compartilhar com os amigos e familiares! [embed]https://www.youtube.com/watch?v=yjqZJSB6gXI[/embed]

Tags: autismo, filme

Um viva para os aniversariantes de maio!

No mês de maio, dois dos nossos meninos ficaram mais velhos. Um deles é o David, que está conosco desde Novembro de 2012. Ele completou 49 anos de idade no dia 1º de maio. O outro aniversariante completou nada mais, nada menos do que 81 anos de idade! O José comemorou seu aniversário no dia 12 de maio. Ele está conosco desde de abril 2013 e é o mais sênior dos nossos assistidos. Nós queremos deixar nossa singela homenagem aos nossos queridos David e José, que fazem parte da família Associação São Francisco há bons anos. O convívio com cada um de vocês traz mais vida e alegria para nós. Desejamos muita saúde, paz e felicidade para vocês! E que possamos comemorar essas datas juntos por muito e muitos anos pela frente! Esses são os votos da Associação São Francisco!

Maio amarelo: atenção pela vida

Seguindo na esteira dos meses comemorativos, maio é dedicado a uma causa pertinente não somente a nós, que somos ou trabalhamos com pessoas com deficiência intelectual. Maio amarelo é o mês da atenção pela vida, dedicado particularmente à educação no trânsito (daí a cor amarela, representando a atenção). Os acidentes de trânsito matam anualmente mais de 1,25 milhão de pessoas no mundo, sendo que 90% destes óbitos acontecem em países de baixa e média renda, que possuem cerca de 54% dos veículos. Essas ocorrências representam a nona causa das mortes em todo o planeta, mas são a primeira na faixa etária dos 15 aos 29 anos. Até 2030, o trânsito poderá se tornar o sétimo responsável pela interrupção da vida. O Brasil aparece na quinta posição entre os países recordistas de mortes no trânsito, precedido apenas por Índia, China, EUA e Rússia, e sucedido por Irã, México, Indonésia, África do Sul e Egito. Quase a metade das vítimas fatais são pedestres, ciclistas e motociclistas, usuários mais vulneráveis. Maio amarelo é um movimento presente em 27 países, que tem como objetivo chamar a atenção para o problema da segurança no trânsito, em diferentes frentes. Seja por ações nas mídias sociais, em outdoors, cartazes, panfletos e ações educativas, as empresas e o poder público são encorajados a se engajar na causa por um trânsito mais seguro. Em 2018, o tema do maio amarelo é Nós Somos o Trânsito, para lembrar que quem faz o trânsito não são os veículos, mas as pessoas. Sendo assim, depende de cada um de nós, individualmente, fazer de nossas vias locais seguros. A iniciativa foi criada em 2014 pelo Observatório Nacional de Segurança Viária (ONSV), em apoio à Década de Ação pela Segurança no Trânsito 2011-2020, proclamada em março de 2010 pela ONU. Neste ano, chegamos à quinta edição. Como de costume, a Associação São Francisco procura sempre educar seus assistidos no sentido de promover maior autonomia e integração à comunidade. Por isso, neste mês de maio, desenvolveremos ações educativas com o tema segurança no trânsito. Sabemos que todos, desde o condutor de carretas até o pedestre, devem ser educados para um trânsito mais seguro e a Associação não ficaria de fora desta. Quem quiser saber mais sobre o movimento Maio Amarelo, pode fazer acessando-se o site oficial em www.maioamarelo.com  

Abril azul, mês da conscientização sobre o autismo

Estamos na reta final do mês de abril e, antes que maio chegue, precisamos falar sobre o autismo. O Abril Azul é dedicado à conscientização sobre o autismo, um distúrbio intrigante para a ciência ainda hoje e muito próximo da nossa atuação aqui na Associação São Francisco. Já falamos um tanto sobre ele em algumas postagens no nosso blog e você pode aprender mais sobre o assunto acessando este link, bem como este aqui também. Mas, é claro, nunca é demais falar sobre este distúrbio, uma vez que ele é muito comum e afeta o dia a dia de muitas famílias no Brasil e no mundo.

O autismo

A definição resumida do autismo é: um distúrbio do desenvolvimento humano. Sua característica mais marcante é a dificuldade de integração social do autista. Essa dificuldade ainda pode ser acompanhada por comprometimento em outras áreas, como o cuidado pessoal, higiene pessoal e noções de segurança pessoal. Essa definição resumida, entretanto, não basta para descrever o autismo. O que torna o autismo um distúrbio tão intrigante são alguns fatores, entre eles:
  • O fato de que o autismo é incrivelmente não uniforme, se comparado a outras deficiências e distúrbios. Enquanto uma pessoa com autismo pode apresentar sérios comprometimentos em diferentes áreas, outra pessoa pode ser o que é conhecido como "autista altamente funcional", com sintomas pouco percebidos.
  • Enquanto alguns distúrbios afetam a aparência física de maneira bastante evidente, a pessoa com autismo muito frequentemente conserva uma aparência harmoniosa.
  • Embora não seja o caso absoluto com todas as pessoas com autismo, existem casos em que as habilidades sociais são comprometidas enquanto o autista desenvolve outra habilidade de maneira extraordinária, como a capacidade de fazer cálculos altamente complexos, ou um talento musical fora do comum.
  • Ainda não existe uma conclusão definitiva a respeito das causas do autismo. Não foi encontrado gene, ou trecho de DNA definitivamente associado ao distúrbio. Todavia, existem indícios de predisposição genética.

Sinais de alerta

O autismo não tem cura, mas quando acompanhamento especializado e terapias são usados de maneira eficiente, é possível proporcionar um desenvolvimento global excelente para a pessoa com autismo. Por isso, elencamos alguns sinais de alerta. Caso você perceba sete ou mais dos comportamentos abaixo, consulte um especialista:
  • Às vezes é agressivo e destrutivo;
  • Resiste ao contato físico, como abraços, beijos e carinho;
  • Usa pessoas como ferramentas, como para pegar objetos ou realizar ações corriqueiras;
  • Não demonstra medo em situações de perigo;
  • Age como se não escutasse;
  • Resiste ao aprendizado;
  • Risos e movimentos inapropriados;
  • Não se mistura com outras crianças;
  • Modo e comportamento indiferente ou arredio;
  • Não mantém contato visual;
  • Apego não apropriado a objetos;
  • Resiste a mudanças de rotina;
  • Acentuada hiperatividade física;
  • Gira objetos de maneira peculiar e bizarra.

Aprendendo a lidar com a pessoa com autismo

Finalmente, aprenda a lidar com o diagnóstico de autismo. Em primeiro lugar, lembre-se que nenhum distúrbio, doença ou deficiência deveria definir quem uma pessoa é. O indivíduo com autismo é muito mais do que "apenas um autista" e merece todo amor e atenção que uma pessoa dita "normal" teria. Quem vive com o diagnóstico de autismo normalmente tem sérias dificuldades em situações sociais, portanto, esteja sempre pronto para auxiliar nessas situações. Além disso, conheça quais são os gatilhos de crises para a pessoa em questão. São barulhos altos e abruptos? São luzes ofuscantes piscando? Lugares movimentados? Evite-os, na medida do possível, ou aprenda a transmitir segurança e conforto nessas situações. Lembre-se de que a pessoa com autismo sente e percebe o mundo de maneira diferente de você. Finalmente, uma dica importante: o cuidado com as palavras e a comunicação de uma forma geral. Muitas vezes, a pessoa com autismo não consegue encontrar palavras para se expressar. Ajude em situações desse tipo e tenha paciência. Não tente apressar a comunicação, nem pressionar. Evite usar linguagem figurada, também. Se você disser que "está chovendo canivetes", é provável que  a pessoa com autismo realmente imagine que está saindo lâminas do céu. Quem vive com autismo não consegue entender esse tipo de linguagem. Prefira dizer, em vez disso, que está chovendo muito. Esse é o nosso recado para este Abril Azul. Gostaríamos de deixar um abraço para todas as famílias que vivem o desafio de lidar com o autismo.

Semana Monteiro Lobato 2018

Nos dias 18 e 22 de abril,  nossos assistidos tiveram a oportunidade de participar da semana Monteiro Lobato, no Sítio do Pica-pau Amarelo em Taubaté. Foram dois dias muito gostosos, em que puderam assistir apresentação de coral, orquestra sinfônica, teatro e dança. E logicamente, eles também fizeram um lanche delicioso, como não poderia ser diferente. Infelizmente, por dificuldades com de condução, apenas aqueles com boas condições de locomoção puderam ir ao evento. Seguem as fotos dos passeios. Não deixem de comentar, compartilhar e curtir! (mais…)

Páscoa 2018

Já se passaram alguns dias desde a Páscoa, mas não poderíamos deixar de compartilhar com vocês os momentos que vivemos na comemoração de Páscoa deste ano. Em 2018, repetimos nossa tradição de comemorar esta importante data, com direito a brincadeiras e decoração especial. Nossos assistidos, é claro, ainda puderam saborear um delicioso ovo de Páscoa no final das contas. (mais…)